Categorias
Artigos Espiritualidade Naturopatia

Amar Una Sacerdotisa

Ella no tiene dueño, su alma vuela como los pájaros… No le reproches si no eres el centro de su universo, ella vive dividida entre planos y mundos que puede que tu nunca veas.

Si te escogió siéntete afortunado, ella no es una mujer cualquiera, como ya sabes, conjuga los elementos, habla con los ríos y los árboles, invoca a los dioses… Siéntete afortunado si te ama… Algo vio en ti, algo que posiblemente tu nunca veas, puede que tu alma le contara una historia que tu nunca oíste… Ella te ama libre, pero con respeto y compromiso. Si has amado a una Sacerdotisa sabrás que ellas están hechas de otra materia, son agua y fuego a la vez… Es posible que nunca olvides sus caricias, sus besos… Sus enfados terribles y su risa… Ninguna otra mujer sera Ella… ¿Llegaste a darte cuenta? ¿Fuiste capaz de saborear la magia en su piel?

Su recuerdo vivirá en ti mientras te quede consciencia. Ella es lo que nunca buscaste y sin embargo llegó, como una tormenta a arrasar la cotidianidad de tus días y a sacudir tus noches. Si la amas, si de verdad quieres amarla, se valiente, muerde la cuerda que te ata a lo mundano, echa tus miedos al fuego de la hoguera de su alma, contagiate de su locura, de su valor, porque ella es valiente, se enfrentó a todo por ser ella misma, ¿No es por eso que la amas o la amaste? No se puede perder lo que no se posee, pero si se cruzó en tu vida una Sacerdotisa, no dejes que se vaya… Abrázala fuerte aunque sientas miedo. Ámala… O cae bajo la maldición del arrepentimiento, del que sostuvo una galaxia en sus brazos y dejo que se le escapara…

 
Texto: “Amar a una Sacerdotisa” del libro Las Sandalias Invisibles por Ness Bosch: Sacerdotisa y Chamana – Shamaness and Priestess.

Categorias
Artigos Naturopatia

ALECRIM: 5 DICAS SOBRE USO E SEUS BENEFÍCIOS

Pensa numa erva amada, daquelas que são pau pra toda obra e que vivem felizes mesmo no solo mais seco de origem calcária e sob um sol escaldante. Seus usos vão desde culinários e medicinais ao religioso. Fala se não é parceira?
Essa é o alecrim ou (Rosmarinus officinalis). Aqui no Brasil ela é mais vista como tempero e seu uso veio lá dos países do Mediterrâneo, onde é farto seu crescimento, sendo até mesmo considerada um “mato” de tanto que tem. Seu nome botânico diz muito sobre sua beleza e força: Ros = orvalho, marinus = mar, então temos nela nosso orvalho do mar. Seu uso pode ser como erva fresca ou seca, em tinturas, infusões, incensos e nos alimentos.

Na culinária, como erva fresca ou seca, ela ajuda a fortalecer o sistema imunológico, ativa a circulação sanguínea e acelera a digestão. Na aromaterapia, através do uso do óleo essencial, os benefícios são similares pois as propriedades da planta se mantém após a destilação.

ALGUMAS DICAS:

  • Acrescente 20 gotas de óleo essencial de alecrim no seu shampoo (de preferencia natural ou orgânico) para reduzir a queda do fios e caspa. Se fizer uma massagem no couro cabeludo com a ponta dos dedos, você irá ativar a circulação na região e isso acelera o crescimento dos fios, além de ser um estimulante do sistema nervoso central, melhorando a memória e o raciocínio. Se você sofre de pressão alta, use apenas a erva, pois o óleo essencial pode acelerar seus batimentos cardíacos.
  • Na cozinha um prato que adoro é batatinha assada com alecrim: cozinhe as batatinhas, tempere com óleo de coco e salpique o alecrim, leve ao forno para dourar e pronto! É uma delicia. Você pode também colocar os ramos dentro do azeite, para dar sabor e transferir as propriedades medicinais para seu alimento, mas deixe uns 15 dias antes de começar usar para dar tempo das ervas e do azeite se namorarem 😉
  • Energeticamente essa planta é uma potência. Suas folhas têm formato de espada, então já está descrito pela própria assinatura botânica seu potencial de defesa, além de ter capacidade equilibradora do emocional. Um banho com infusão das folhas traz paz, alegria e harmonia para nosso campo energético.
  • Com os ramos secos, pode-se fazer um incenso de bastão juntamente com outras ervas. É só amarrar todos os ramos juntos até que estejam bem secos e acender passando pela casa ou local a ser limpo seguindo o caminho com uma oração de sua preferência. Ah, não esqueça de colocar um prato embaixo para recolher as cinzas e não causar um acidente. Esse uso é uma excelente forma de aproveitar a poda da erva ou reutilizar o banho da infusão. É só escorrer bem a água, deixar os ramos no sol pra secar, e depois queimar. Limpeza certa de corpo e energia do lugar e dos moradores.
  • Para usar o óleo essencial, é possível fazer um spray (5ml de álcool e completar com água limpa num frasco próprio, depois colocar cerca de 10 gotas para cada 100ml de água), dai é só borrifar pelo ambiente.

Se tem mais? Tem… afinal o alecrim já viveu junto aos gregos, romanos, faraós do Egito, passou por Jesus e Maria, sobreviveu à peste negra na Europa e é estudado até hoje.
Esta erva tem muita história, mas ficam para uma próxima leitura.
Grande abraço aromático,

Stela Kiill

*Esse artigo foi publicado no blog do Projeto Porque Não! Confira mais desse trabalho lindo no link.

Categorias
Artigos Naturopatia

Junipero – Juniper communis (berry)

Esse é um dos óleos essenciais que considero indispensável no kit de um aromaterapeuta, é uma preciosidade em muitas e muitas formas e a primeira delas é a primor necessário para se extrair o óleo dessas frutinhas, porque não é qualquer fruta que pode ser usada… não… somente aquelas que já tem mais de dois ou três anos é que podem ser colhidas, ou seja, a matéria prima precisa passar por um lento período de amadurecimento, passar por invernos e verões para que possa, então, sair pelo mundo para auxiliar medicinalmente as pessoas.

Claramente é um óleo essencial com capacidade de nos ajudar nos processos internos de amadurecimento, onde a vida já está nos cobrando que passemos a agir e não mais a reagir com um ego descontrolado e feroz. A necessidade desse óleo num tratamento é uma grande benção, é sinal de que a vida já te enxerga com capacidades adultas e responsáveis a serem desenvolvidas, a vítima que somente sofre e espera que os outros mudem para que ela seja feliz está pronta para ir e dar lugar a um ser agente e criativo, maduro em seu sentir e conectado com a essência da alma.

Na Antiga Suméria, os galhos do junipero (zimbro aqui no Brasil) eram queimados para a deusa Inanna, deusa da fertilidade e também símbolo de amadurecimento, afinal só damos frutos bons quando estamos prontos para isso, e não me refiro somente a filhos, mas a projetos, sonhos, relacionamentos. Inanna, sob outros nomes e com algumas variações é vista em outras mitologias posteriores como Vênus e Oxum.

No Egito Antigo os registros medicinais e religiosos do junipero foram encontrados em papiros, tanto para tratamento de lombrigas como em material de incenso. Já na aromaterapia moderna, um dos seus principais usos é para infecções do trato urinário, problemas de retenção de líquido, inchaço, varizes, problemas respiratórios entre muitas outras indicações.

Seu aroma nos proporciona a beleza e a purificação de uma mata recém visitada pelas chuvas de verão. Quando estiver com os pensamentos exacerbados, não deixe de usá-los e se entregue a essa viagem de frescor e aventura que essa dádiva pode propiciar.

Grande abraço,

Stela Kiill

Categorias
Artigos Eventos e Cursos Naturopatia

Rinite e Sinusite na Aromaterapia

Dia 13/ Mar/18 estive no programa Você Bonita da TV Gazeta explicando sobre a rinite e sinusite e como a aromaterapia pode te ajudar a ter melhores condições de tratar seus sintomas.

Ao longo da semana irei publicar o texto referente aos óleos apresentados.

Tudo foi preparado com muito carinho e espero que gostem.

Lembrando que a turma para curso de Introdução a Aromaterapia está em formação. Venha fazer parte e aumentar as ferramentas que você pode usar para cuidar melhor da sua saúde, sem os pesados efeitos colaterais dos medicamentos alopaticos.

Grande abraço,

Stela

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=cRed6iwPhRQ&w=560&h=315]

Categorias
Artigos Naturopatia

Cris Cardoso e Mosaico Natural

Naturopatia é isso! Saúde, Bem Estar e Beleza <3

Fiz alguns vídeos em parceria com a Cris Cardoso sobre como usar recursos naturais da aromaterapia para cuidados do dia a dia.

Tem dicas de massagem, cuidados corporais, faciais e muito mais.

Espero que gostem a aproveitem para acompanhar nosso trabalho também no YouTube.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=zg4932RP5wk&w=560&h=315]

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=bJqJLn4cxHU&w=560&h=315]

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=dQ0nPVasO-I&w=560&h=315]

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=zWBcFY8Dxn4&w=560&h=315]

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=n6NLC_b0y6Q&w=560&h=315]

Categorias
Artigos Eventos e Cursos Naturopatia

Aromaterapia na Gazeta Especial Natal

Dia 25.12.17 foi ao ar minha participação no Você Bonita da TV Gazeta com a Carol Minhoto, onde falei sobre o uso dos óleos essenciais para entrar no Ano Novo com energia total e renovação.

Todo a material apresentado foi elaborado com muito carinho e as informações passadas podem ser usadas ao longo de todo o ano.

Qualquer dúvida podem entrar em contato pelo formulário do blog, redes sociais ou email.

Bjs,

Stela

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=5d6tbUwu-oI&w=560&h=315]

Categorias
Artigos Naturopatia

O Mimimi do Feminismo

Netflix… sim, foi ali que tudo começou.

A alguns meses atrás, uma amiga me indicou o que seria uma série maravilhosa e lá fui eu, no maior entusiasmo me aventurar na telinha e ver do que se tratava as tais “Aventuras de Merlin”, que a principio se trata de uma releitura da obra de Marion Zimmer Bradley – “As Brumas de Avalon”, com personagens icônicos como Morgana, Guinevere, Morgause, Rei Arthur e Merlin.

o mimimi do feminismo mosaico natural

História protagonizada pelas mulheres que demonstra força, coragem, poder pessoal, liderança e sabedoria, regadas a boas doses de magia, fundamentos da religião dos povos antigos da Bretanha, ou dos povos celtas, como são mais conhecidos. Nessa versão em série, os personagens se mantém, ou melhor, seus nomes, porque cada capítulo demonstra uma história completamente diferente da original.

Em Brumas, Merlin é um mago sábio e já de idade muito avançada, no série ele é jovem rapaz que mau sabe de seus dons e como usá-los, mas claro que ao decorrer dos capítulos ele se descobre forte e poderoso, embora seja o serviçal do, então jovem e asbrumasdeavaloninexperiente, Principe Arthur. Pensei… bom, até aqui ok… prefiro a versão original, mas vamos dar uma chance e ver no que dá e deu, como dizem na língua informal #deuruim (pelo menos sob minha ótica), porque as mulheres que eram protagonistas e representantes de um poderio pessoal feminino que se perdeu ao longo do tempo, nessa série se tornaram meras representantes dos estereótipos que consagraram lugares de submissão e aversão às mulheres.

Morgana segue sendo poderosa, mas é transformada em bruxa louca, com direito a madeixas descabeladas, para seguir com o padrão de que mulheres não entendem as decisões masculinas e por isso se comportam de maneira histérica. Guinevere, por sua
vez, é única que assume uma personagem de poder, mas desse ponto em diante, fica praticamente sem falas durante todos os outros capítulos e sempre cercada apenas de homens. Dai irão me dizer, “ah, você está exagerando. Era assim naquele tempo.” Sim, era, mas não na obra original.

E comentei com essa minha amiga essa visão, de que era apenas mais uma obra onde somente o poderio do patriarcado reinava. De verdade, cheguei a me sentir ofendida, pois se eu fosse a autora, essa releitura seria um desaforo, pois fez exatamente o que os livros originais lutaram contra: mantiveram a mulher em submissão, negaram sua capacidade natural de ligação com a natureza e tiraram seu discernimento e poder pessoal. “Ah, Stela, mas é só pra passar o tempo… que chato isso! Tudo tem que virar debate sobre o mimimi do feminismo? Que preguiça…” Foi o que ouvi e desde então, tenho pensado sobre isso.
Estamos em 2017 e as pessoas ainda não compreendem do que se trata o tal feminismo, então só para ser detalhista, vou colocar aqui a definição pela Wikipédia “é um conjunto de movimentos políticos, sociais, ideologias e filosofias que têm como objetivo comum: o mimimi do feminismo mosaico naturaldireitos equânimes (iguais) e uma vivência humana por meio do empoderamento feminino e da libertação de padrões opressores patriarcais, baseados em normas de gênero”. Ou seja, é um trabalho para mudar a cultura da sociedade sobre o engessamento dos papéis dos homens e mulheres na sociedade, por exemplo: tanto a mulher quanto o homem deveriam receber a mesma aceitação (se é que podemos falar em aceitação, pois de fato ninguém tem nada a ver com a vida do outro, mas enfim…) se decidir ficar com o serviços da casa e cuidados com os filhos, mas nitidamente vemos com muita diferença cada gênero na mesma função. Se falarmos em altos cargos em empresas é a mesma coisa, Diretoria de Operações da Multinacional X ser dirigida por um homem ou uma mulher, e não se trata apenas da visão e do julgamento, mas da igualdade de oportunidades para se chegar lá. Os obstáculos que uma mulher enfrenta, assim como negros, gays e por ai vai, são muito maiores. É como se pelo fato de não ser homem e branco, você já nascesse com uma deficiência intelectual.

Por isso não vejo o feminismo como um mimimi, vejo como uma necessidade de libertação para todos, porque todos tem direito de terem as experiências que desejarem em  suas vidas e receberem os créditos e as responsabilidades por isso. Obras escondidas ou atribuídas a homens é uma realidade pra lá de comum quando se fala em mulheres (e outras populações em desvantagem), como retrata, por exemplo, o filme “Estrelas Além do Tempo” de 2017, ou como a cineasta, Alice Guys que tem sua obra atribuída a George Meliès, como é mostrado num filme infanto juvenil chamado “Hugo” de 2012 – isso é apropriação cultural.

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=SeeNOWJgxQ0&w=560&h=315]

 

O feminismo parece mimimi para quem nunca se atentou a seus efeitos e acha não sofre nenhuma consequência, mas como você se sentiria se o trabalho de sua vida fosse atribuído a outra pessoa? Quantas escritoras, inventoras, cientistas entre outras profissionais não precisaram se esconder atrás de nomes (pseudônimos) masculinos para que seu trabalho tivesse chance  de, pelo menos, ser visto? Sabia que quem inventou a geladeira foi uma mulher?  E tem mais, muito mais e dessas inumeráveis obras, muitos nomes se perderam pra sempre. Aqui abordei apenas um aspecto da divisão gênero, mas é muito mais amplo, entra no âmbito da violência sexual, doméstica, comercio sexual e mídias em geral, discriminação, assédio e a lista vai embora.

Então, não, não é mimimi, é respeito que todo ser humano merece por simplesmente ser um ser humano, independente de gênero, raça, condição social ou sexual, religião e qualquer outra forma de segregação que temos a tamanha mania de criar para que uma parte do nosso ego possa seguir afirmando ser melhor ou mais privilegiada que outra. A famosa divisão Nós x Eles que nunca levou ninguém a nada. E quando essa diferença na divisão se dá entre gêneros, a mudança cultural dessa paradigma, é chamada de Feminismo.

E para concluir, voltemos ao tema da “série só para se divertir”, toda obra indiretamente transmite conceitos à nossa mente que irão moldar nossas crenças, e portanto, nossas escolhas e experiências de vida. Se nutrimos nosso consciente e subconsciente com estereótipos antiquados e limitadores e passarmos a vida submersos nisso, nosso cotidiano apenas irá refletir essa realidade interior e as chances de carregarmos uma frustração consigo próprio é bastante alta. Então, ninguém precisa carregar a bandeira do feminismo, nem deixar de se depilar, mas é necessário entendermos onde as raízes das limitações surgem para que possamos ter respeito por nós próprios e para ensinar quem vem depois a importância de não viver os mesmos erros e crescer pelo positivo da nossa experiência.

Stela

o mimimi do feminismo mosaico natural

Categorias
Artigos Naturopatia

2017 – O Ano do Salto

O ano começou mansinho, mas nem tanto. Em sua essência, desde Dezembro já mostrava ao que veio, um ano de muito trabalho, muitos inícios e concretizações, tempos de colheita do que veio sendo plantado no último ciclo de 9 anos que se encerrou em 2016. Projetos, sonhos e programações que antes pareciam difíceis de chegar ou se estabelecer terão sua chance esse ano, mas não é só.

Finalmente atingimos o ponto que a energia índigo vinha esperando a tanto tempo, não de ruptura das estruturas arcaicas (que já estão acontecendo), mas de entrada das pessoas numa nova consciência de coletivo. A energia que chegou vem nos mostrar a importância de pararmos de olhar apenas para o eu individual para olharmos para o Eu Coletivo.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=OpOOorHR7kA&w=560&h=315]

É chegado o momento de parar de apenas querer receber, de apenas cobrar que façam por nós, de apontar o dedo para aquele que não fez, mas também não fazer e ir até lá e arregaçar as mangas para promovermos nossas mudanças internas que afetam o coletivo, porque quanto melhor estou comigo mesma, melhor estou para os outros, melhores são meus frutos gerados e consequentemente isso se espalha como um raio de luz.

É chegado momento de pensar que jogar lixo não significa que me livrei dele, mas sim que isso foi transportado para outro lugar, mas que fim realmente fez? Foi benéfico seu fim? Podemos fazer melhor? É chegado momento de parar com “nós” contra “eles”, “os bons” x “os maus”, meu partido x o seu, porque somos todos uma sociedade e dentro de suas experiências de vida, suas perspectivas, seus sonhos, todos estão certos e tudo o que todos desejam é serem felizes, e agora é momento de vermos isso e nos unirmos como uma Comunidade Humana para darmos solução ao problemas ambientais, de alimentação contaminada, ar e água poluídos, indústrias que manipulam as informações, tornam pessoas doentes, escondem e mentem sobre as informações, controlam sua vida, tudo com o fim egoísta de manter o poder individual para poucos.

O momento vai pedir que tenhamos atitudes para assumir o poder como coletivo, como sociedade e não mais como cordeiros obedientes e subservientes nas mãos daqueles que detém o poder de decidir.

2017

Fácil? Não… Bonito? Sim, muito, mas vamos precisar tirar nossos traseiros do sofá e sair da frente da TV hipnótica e parar pra pensar em como fazer melhor para o todo, nossa família deixou de ser aqueles que moram conosco, mas passou a ser todos. Aquela mãe com o filho abandonado pelo machismo, o pai com a família embaixo da ponte que perdeu o emprego, o doente e o idoso abandonado no asilo, aquele que sofre de medo e fome na guerra, os que ainda vivenciam a escravidão, quem sofre violência dentro de sua própria casa… esses são apenas alguns dos que entraram para nossa família e se estamos passos a frente em nosso conforto, é hora de trabalhar para ajudar outros a terem também o privilégio que temos ou pelo menos melhorar a condição deles e dar chance para que possam caminhar e sair do poço onde estão.

Muitas vezes apenas para e ouvir verdadeiramente a dor e o problema do outro já é uma ajuda que talvez nem milhões poderiam trazer a uma pessoa. Curar a alma é o maior presente que alguém pode receber.

Então, prepare-se, 2017 chegou e veio com a energia que vai ficar, agora nos adaptamos e entramos ao que viemos ou seremos varridos junto com as velhas estruturas que cairão em desuso, juntamente com a mentalidade egoísta e individualista reinantes até então. Será muito trabalho, mas ele valerá a pena para termos uma sociedade mais justa e verdadeira com todos.

Deixo aqui dois vídeos que demonstram exatamente o que é esse salto individual para o coletivo.

Feliz 2017!

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=n32rp06PqfQ&w=560&h=315]

 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=7WEd34oW9BI&w=560&h=315]

Categorias
Artigos Naturopatia

Aromaterapia Clínica: Ylang Ylang

Ylang Ylang – Cananga odorata

Planta originaria da Indonésia e utilizada em rituais de casamento, no buquet da noiva e como decoração na cama para a lua de mel, por isso é conhecida como afrodisíaca, mas como isso realmente acontece?

Ylang Ylang - Cananga odorataO Ylang Ylang tem um perfume floral intenso, bastante característico e por vezes pode causar até mesmo dor de cabeça e enjoo em algumas pessoas. Sua ação emocional é como um curativo para aqueles que sofreram perdas amorosas e não conseguiram superar a dor, ou seja, ele é conhecido como o remédio dos corações partidos. Isso nos dá uma boa pista do porquê ele é considerado afrodisíaco, afinal, se nosso coração está inteiro nossa entrega ao amor será mais verdadeira e profunda o que torna a relação também mais completa.

Fisicamente é uma nota floral calmante, tônico para o útero, antidepressivo e pode ser usado diluído em um óleo capilar, como jojoba ou argan para dar vida e brilho ao cabelo (1 gota a cada 10ml de óleo).

Texto publicado na revista Sublime Rituais

Stela